Animais Fantásticos e Onde Habitam - Spoiler Free


Depois de 10 anos e oito longas, ver o símbolo da Warner na tela grande passou a ter um significado bem específico, com uma expectativa sem igual. E, adianto, para quem espera ouvir a deliciosamente familiar música tradicional da abertura de HP, não se desespere e ouça com atenção.


No último dia 17 tivemos a estréia de Animais Fantásticos e Onde Habitam - ou Harry Potter e os Bicho (que é uma versão, nem tão reduzida assim, dada por fãs de carteirinha, mas mais facilmente recordável, do nem tão enorme, mas sonoramente longo, título do longa) -, dirigido por David Yates e roteirizado por ninguém menos que a rainha Joanne Kathleen Rowling (a.k.a. J. K. Rowling).



A ideia era ver o filme no fim de semana da estreia, mas a vida deu aquele jeito e tive que guardar a ansiedade até o dia 22, última terça, em que foi possível ver o tal AFEOH na tela grande.



Como o título do post aponta, esta é sim uma resenha sem spoilers! Então, se não viu o filme, pode ler sem culpa, tecerei os comentários respeitando o limite das novidades.

Para quem está muito por fora, confere só o trailer e a sinopse:

O excêntrico magizoologista Newt Scamander chega à cidade de Nova York com sua maleta, um objeto mágico onde ele carrega uma coleção de fantásticos animais do mundo da magia que coletou durante as suas viagens. Em meio a comunidade bruxa norte-america que teme muito mais a exposição aos trouxas do que os ingleses, Newt precisará usar suas habilidades e conhecimentos para capturar uma variedade de criaturas que acabam saindo da sua maleta. Fonte

O filme vai otimamente bem do início ao fim, possuindo todas as doses já conhecidas pelo público fã do mundo mágico e ainda trás outros muitos interessantes truques na manga. São animais (sim, por óbvio né! Tem muito bicho legal e diferente que ainda não haviam aparecido nos longas de Harry Potter e que trouxeram um toque todo especial para este filme, por razões que você saberá quando assisti-lo), feitiços (sim, temos aquele combo basicão que todo bruxo precisa saber, mas tem também muitos outros feitiços trilegais que são novidade na telona!) e personagens apaixonantes (e não estou falando só do Newt Scamander, que, na pele de Eddie Redmayne já nos conquistou antes mesmo dos trailers).



O melhor de tudo é que o filme traz uma sensação de realidade do mundo mágico, de uma maneira tão mais palpável do que o já mostrado no mundo de Harry Potter. Não no sentido de que HP não te faça acreditar, mas, a saga envolvia muito mais o mundo bruxo, muitas vezes apartado do mundo dos não mágicos (ou trouxas, como os britânicos preferem), e, Animais Fantásticos está aqui mostrando um enlace muito mais profundo entre os mundos existentes. Algo que fora trabalhado em HP e que, agora, fora elevado para outro nível.



Sim, a empolgação foi tanta que arrisco a dizer, AFEOH superou não apenas as expectativas. É um filme que, mesmo se passando em época anterior à de HP, está a frente no que diz respeito ao nível de desprendimento, de amadurecimento. Talvez para matar um pouco da curiosidade da vida 'pós fase escolar' que sempre gerou muita curiosidade em todos. Claro que muito do brilhantismo do filme deve-se ao fato do roteiro ser da nossa queridíssima, amadíssima e talentosíssima J. K. Suas digitais reverberam em cada feitiço e desenrolar da trama.



Além do Newt Eddie Scamander, que, dispensa elogios, porque, o personagem é cativante e, nesse ponto, não aceito muitas discussões (rsrsrs), vale lembrar da dupla de irmãs Goldstein, Porpentina e Queenie. Elas são ótimas, cada uma com suas particularidades e jeito de ser não apenas conquistam como também mostram que estão ali pro balaco baco! Nada de deixar tudo por conta dos 'omi' minha gente! E isso é lindo! Lindo mesmo.



E, para não achar que o filme também não desperta risos do público, vale lembrar do trouxa que tem grande destaque na trama, Jacob Kowalski, que mostra que um trouxa também pode ser muito valente em situações escabrosas.


Não vi muita gente dizendo, mas vou deixar aqui meu 'adoro você Colin Farrel' ahahahah, que faz Percival Graves, um importante membro do Congresso Mágico dos Estados Unidos da América, conhecido como MACUSA. Mas essa informação foi só para eu dizer que adoro ele mesmo, então, seguimos adiante.


No mais, espere para ser surpreendido, porque, em termos de magia, praticamente tudo que se vê é elevado a outro status, outra dimensão. E, nesse quesito, a maleta do Newt que o diga! A época em que o filme se passa então (década de 20), não poderia ser mais instigante, relacionando fatos da história do mundo com embates anti bruxos e relação entre os mundos mágico e não mágico. Crise ao quadrado, por assim dizer.



Escrevi esse post ainda com a memória fresca de todo o filme, cheguei em casa e fui escrever, porque o longa merecia toda essa atenção especial. Honestamente, não queria que o filme terminasse. E, a sensação que ele deixou não foi apenas de 'quero mais', me surpreendeu, me deixou extasiada, feliz e contente com o nível do que nos foi dado. Acho que a sensação vai durar bastante, porque, alguns filmes, por melhores que sejam, costumam me deixar numa vibe meia boca depois do cinema, porque, sabe, acabou. E Animais Fantásticos, não só pela promessa de continuação com quatro longas, não deixou assim. A sensação foi de, 'obrigada por isso'!



E assim, deixo o convite para aqueles que ainda não se aventuraram a partir em para o cinema mais próximo e deleitar-se! Quem já viu, não esquece de compartilhar suas impressões e quem não viu, as expectativas!

xoxo


P.s.: saindo da sessão de cinema, chuva me acolhendo do lado de fora. E isso é a coisa mais perfeita e mágica que há!



Fonte Imagens

Retipatia

Um comentário:

Deixe seu comentário, ele é importante para o nosso feedback, sugestões sempre serão muito bem vindas, mas por gentileza, não deixe comentários maldosos ou grosseiros, criamos nosso conteúdo com carinho, respeite nosso trabalho.